logo
Credivertentes
     

18/06/2019
Sicoob Credivertentes celebra 32 anos de funcionamento e anuncia projeto ambiental

Origens e futuro se mesclam em proposta que se soma, ainda, a ações culturais e sociais

16 de junho de 1987 – Dez meses após ter sido constituída em ata, a Cooperativa de Crédito Rural Campos das Vertentes abriu as portas em São Tiago, Minas Gerais. Antes, para que deixasse de ser utopia e se tornasse real, 22 homens se uniram em prol de uma meta ousada: instalar na pequena comunidade interiorana uma instituição financeira própria.

Mais do que isso: uma organização que oferecesse crédito a quem fizesse parte dela promovendo, ao mesmo tempo, Justiça Financeira e crescimento comunitário. Algo praticamente impensável no mercado até então monopolizado por bancos. “Sem crédito não há desenvolvimento”, frisou o idealizador e membro-fundador da instituição, João Pinto de Oliveira, à época.

E seguiu repetindo o mote nas décadas seguintes. Se nos anos 1980 o discurso ecoava para seus 21 parceiros na empreitada cooperativista – chamada de ‘loucura’ por muitos –, hoje ele faz coro a mais de 20 mil associados em 19 cidades do Campo das Vertentes e na capital mineira, Belo Horizonte.

Isso sem falar nos cooperados que aderiram à ousada Conta Digital e naqueles que já esperam para contar com serviços financeiros de ponta e portifólio completo em nosso próximo endereço, em Alto Rio Doce.

Junto à economia, porém, essa família quer movimentar – e transformar – outros setores. O mais recente é o ambiental.

 

Muito além do crédito  

Instituição criadora de um boletim memorialístico e de uma revista cultural, o Sicoob Credivertentes também abarca pesquisas que se convertem em livros enaltecendo capítulos e protagonistas importantes da história regional. Todos podem ser lidos ou baixados gratuitamente neste link.

Há, ainda, o foco social da Credi, congregando seus mais de 170 colaboradores e milhares de cooperados em ações especiais como o Natal Solidário, que assiste em média 1,5 mil pessoas todos os anos; e o Dia de Cooperar (Dia C), idealizado pelo Sistema Ocemg e adotado no Campo das Vertentes desde 2010. Até aqui, mais de 12 mil pessoas foram assistidas em eventos itinerantes e campanhas em prol de entidades locais. Uma delas, a Associação de Amparo a Pacientes com Câncer (Asapac).

Graças à união de nossos cooperados, o grupo que hoje atende mais de 320 pacientes oncológicos recebeu um carro 0km em 2016 e R$40 mil para investimentos em obras na Casa de Apoio em 2018. Isso sem falar em quase 9 mil litros de leite para compor cestas básicas.

Foco ambiental

Em 2019 novo foco para o Dia C. Agora, o Sicoob Credivertentes quer abraçar a causa ambiental e ajudar a resgatar nascentes em propriedades rurais da região. Assim, anuncia o Minas + Vertentes. O projeto será lançado oficialmente no dia 6 de julho com a 1ª Caminhada da Cooperação, em São Tiago.

Depois disso, a cooperativa abrirá cadastros para ruralistas da cidade-sede, de Resende Costa e Ritápolis interessados em proteger suas minas d’água. A partir daí e com suporte técnico do Instituto Estadual de Florestas (IEF), a instituição financeira arcará com materiais e mão-de-obra no cercamento de 30 dessas riquezas naturais no período de um ano.  

 

Nascentes

Um conceito importante em toda essa história é o de lençol freático. O termo vem do grego phréar e atos, significando “reservatório de água”, “cisterna”. Isso significa que a água se acumula e transita no subterrâneo até alcançar a superfície. Quando jorra, forma uma nascente.

É exatamente ali que terá início um curso, grande ou pequeno, de rio, ribeirão ou córrego, essenciais para o ciclo hidrológico e a sobrevivência humana. Daí a importância de preservá-los em toda a sua extensão. E se suas fontes estão em propriedades rurais, é para lá que vamos.

Em tempo, a atividade se soma a outros investimentos do Sicoob Credivertentes em prol do Agronegócio. Em parceria com o Senar, a cooperativa promove o Gestão com Qualidade no Campo (GQC) enquanto, unindo forças com a Faemg, traz aos pecuaristas leiteiros das cidades onde atua o programa Balde Cheio.

Provas absolutas de que, juntos, é possível fazer a diferença. Em artigo publicado no Jornal das Lajes, aliás, João Pinto de Oliveira destaca pensamentos que resumem tudo isso:

“Clarice Lispector certa vez defendeu que ‘quem caminha sozinho pode até chegar mais rápido, mas aquele que vai acompanhado, com certeza vai mais longe’. O cooperativismo, por sua filosofia humanista e progressista, busca exatamente isso enquanto gera e amplia renda, cria postos de trabalho, dinamiza economias. Melhorias para o nosso tempo e as novas gerações”.  

WhatsApp Email LinkedIn Google+